terça-feira, 24 de setembro de 2013

Bu!

Se não quiser ler a estória no blog, baixe-a para o seu computador! Clique na imagem abaixo e faça o download! Só não se esqueça de comentar a sua opinião. Seja sincero!


Bu!

Saí do trabalho e logo começou a ventar. O barulho do chacoalhar das folhas e a dança das árvores me deixou inquieta.
Ia chover e eu não possuía um guarda-chuva comigo.
O tom alaranjado do final do dia me fez apressar o passo. Queria chegar logo em casa.
Um brilho riscou o céu.
Pingos caíram gentilmente e depois com grosseria.
Passei a correr.
Já estava quase totalmente escuro quando abri a porta da minha casa.
Pressionei o interruptor da sala, estava sem energia. Deixei a bolsa em cima do balcão e caminhei até o banheiro.
Coloquei meus óculos em cima da pia, me despi da roupa encharcada, enrolei uma toalha no cabelo.
Escutei um barulho vindo da lavanderia. Segui até lá devagar. A janela estava aberta e alguns produtos haviam caído com o vento. Não lembrava de tê-la deixado aberta.
Fechei-a e peguei uma lanterna do armário.
Assim que iluminei o cômodo meu coração gelou.
Havia pegadas partindo da janela até a porta. Pegadas feitas de água e lama.
Senti meu corpo todo tremer. O que eu faço agora?
Apaguei a lanterna e peguei uma vassoura. Voltei para a sala. Minha bolsa não estava mais em cima do balcão.
Entrei na cozinha e alguém tampou minha boca. Me debati violentamente, acertando a parte inferior dele.
Assim que ele se ajoelhou, passei a chutá-lo desesperada.
– Calma! Droga!
– Seu desgraçado!
– Calma, Júlia! Sou eu, o Rafael.
Parei de chutá-lo.
– Rafa? O que diabos você estava tentando fazer?
– Esqueci a chave da porta e pensei em te dar um susto. Foi só isso.
– Você é um namorado idiota. Você quase me matou do coração.
– Eu percebi. –E começou a rir alto.
Sentei ao seu lado e respirei aliviada.

Ainda bem que havia sido apenas uma brincadeira.

Se copiar a estória, não esqueça de citar a autora (Lívia)!

2 comentários:

Jowfish Kraken disse...

.........................ou não!
E esfaqueou-a no abdômen e a observou morrer com um sorriso no rosto.
Tudo porque ela não queria ter um filho com ele.
Não podia.
Ela não tinha útero.
Nem vida.

E daí ela ri, fica de pé e arranca a garganta dele no dente...
IUAHSUIAHSUASHSUAHUAHSAU

Tá, parei...

Lívia F. disse...

E depois eu que sou a psicopata né.... rs